terça-feira, 9 de abril de 2013

Afinal em que ficamos?



Que Passos Coelho sofre de problemas com a verdade já o sabemos.
Tivemos dois anos para aprender ... de letra.
No Domingo veio declarar que não iria haver novo aumento de impostos, e que iria antecipar a destruição do estado social para recuperar os "danos" que o acórdão do Tribunal Constitucional provocou no Orçamento de Estado que este governo, teimosamente, quis impor.
Acórdão que, por sinal, declarou inconstitucional medidas que sejam mais gravosas opar grupos específicos de pessoas que para os restantes.
Hoje já se fala em agravar os impostos, mas apenas para funcionários públicos, reformados, pensionistas e aposentados.
Bom. Parece que estamos perante mais uma (outra) mentira de Passos Coelho, porque parece que vão haver novos aumentos de impostos.
E parece-me que, à luz da Constituição, e do recente acórdão, é inconstitucional aplicar medidas fiscais e para-fiscais que sejam dirigidas a grupos ou corpos de cidadãos concretos.
Será que estamos perante um braço de ferro entre governo, leia-se, Vítor Gaspar, e o Tribunal Constitucional, e quem se lixa é o mexilhão?
E a múmia de Belém? Será que vai continuar calada?
Nós já aprendemos muito. Os nossos governantes é que ainda não aprenderam que o povo português é pacífico, mas só até ao dia em que deixa de o ser...

Sem comentários:

Publicar um comentário