quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Ground Zero



Cá por Castro Verde a coisa está a aquecer.


A candidatura do Partido Socialista, encabeçada por José Guerreiro, deu a conhecer o seu programa eleitoral (?), que nada de novo trouxe à colação, a não ser ideias vagas, pouco concretas, muito ao jeito do "vamods continuar a...", "prosseguir o que está bem...", manter o que está", com pequenas excepções, como os equipamentos basilares que constituem as quintas pedagógicas e os bancos de tempo, e a construção de um mega-hiper-super pavilhão de exposições, para além da realização de diversos debates e workshops (adoro este inglesismo)para debater a estética das rotundas de Castro Verde, designadamente para onde irão pastar as ovelhas da Rotunda de cima, contratar um pastor para a vara de porcos da rotunda de baixo e a limpeza imediata do cócó de abetarda da rotunda da saída norte.

Ficámos também a saber que para além da Rádio Castrense e do Blogue Rotunda das Ovelhas e Correio Alentejo de António José de Brito, do site , do Hi5, do Twiter, do blog-roll, a candidatura do Partido Socialista de José Guerreiro conta com mais um órgão oficial a Rádio Pax, onde pontificam diversas pessoas da órbita da candidatura de Pulido Valente, amigo do peito de AJB, e agora também cabeça de lista.


De facto, nesse aspecto, já ganharam. só falta mesmo uma estação TV, mas até ao fim da campanha ainda faltam alguns dias, pelo que ... fiquemos na expectativa.

O jornal, peça do mais puro culto da personalidade kitch, não trouxe nada de novo, ou melhor dizendo, um mão cheia de nada, plena de populismo barato, cópia fracota das ideias e obra que a CDU tem implementado no terreno ao longo de 33 anos.

Esperemos que ainda saia um coelho da cartola para termos enfim uma proposta concreta para o concelho.

Ficámos também, finalmente, a conhecer a composição integral das listas do Partido Socialista do candidato José Guerreiro. Numa análise muito pessoal, falta-lhe ali uma linha de junção entre aquelas pessoas, parece que não há homogeneidade na coisa.

Muita gente conhecida, muita gente que andou anos encostada ao poder autárquico, muita gente que apenas ali está por ser amigo ou família de alguém, mas não há a coesão expectável numa lista de pessoasque se propõem trabalhar juntas.

Nota-se a falta de alguém. Nota-se a falta daqueles que, concordasse-se ou não, gostasse-se ou não, durante anos foram à luta e deram a cara pelo Partido Socialista. Também neste aspecto o povo fará o seu juízo.

Não poderia terminar sem referir a vergonhosa publicação lançada pelo Governo Civil de Beja, onde navega o presidente da Concelhia de Castro Verde, intitulada "Balanço de uma Legislatura" onde se conseguiu enfiar, à custa do erário, a relação da obra efectuada (???) pelo Governo no Distrito, incluindo aquilo em que o Governo não participou, por ser respeonsabilidade das autarquias. No que se refere às obras referidas a Castro Verde, duas não são desta legislatura, e as três foram financiadas pelos fundos comunitários, sem qualquer financiamento da Administração Central.

Para quem não sabe, a gestão dos fundos não é responsabilidade do Governo.

Por agora chega.

Sem comentários:

Publicar um comentário